Histórico

Em 2016, o Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEF) do Centro de Educação Física e Desportos (CEFD) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) completou 10 anos de fundação. O quadriênio 2013-2016, objeto de avaliação da Capes, é demarcado por profundas transformações estruturais e qualitativas no Programa. Neste tópico, focalizaremos, de maneira sucinta, o processo de implantação do PPGEF e as principais ações empreendidas no período analisado, que contribuíram para a sua consolidação, ampliação e definição da sua identidade acadêmico-científica.

A implantação do curso de mestrado do PPGEF/CEFD/UFES, em 2006, pode ser compreendida como expressão da política de expansão da pós-graduação empreendida no país nos últimos anos. O Plano Nacional de Pós-Graduação da CAPES estabelece, como princípio norteador, que as conquistas do sistema nacional de pós-graduação devem ser preservadas e ampliadas. Para tanto, necessitará, cada vez mais, de contar com os contínuos esforços da comunidade científica nacional. O Plano tem como um dos seus objetivos fundamentais a expansão do sistema de pós-graduação, de modo a proporcionar um expressivo aumento do número de pós-graduandos requeridos para a qualificação do sistema de ensino superior do país, do sistema de ciência e tecnologia, assim como do setor empresarial.

Em consonância com as metas do plano nacional, a implantação do PPGEF/UFES também pode ser compreendida como expressão da política de expansão da pós-graduação empreendida no âmbito da UFES. No período 2004-2011, esta Universidade atingiu uma taxa média de abertura de 3,9 mestrados-ano e 1,3 doutorados-ano, tendo alcançado, no ano de 2012, um total de 48 cursos de mestrado e 18 cursos de doutorado. Em 2016, já são 56 cursos de mestrado e 23 de doutorado. Esses dados demonstram o esforço e o compromisso institucional com a ampliação da oferta de cursos de pós-graduação no estado e na região.

No âmbito do CEFD/UFES, a implantação do PPGEF pode ser compreendida como resposta aos anseios da comunidade da Educação Física capixaba e regional, que demandava por uma pós-graduação com a mesma qualidade acadêmico-científica ofertada na graduação. O Centro de Educação Física e Desportos da Universidade de Federal do Espírito Santo (CEFD/UFES) é uma das instituições formadoras em Educação Física mais antigas do Brasil. Fundado em 1931, no ano de 2016 o Centro completou 85 anos de história. O seu curso de licenciatura em Educação Física possui sólida tradição de formação, com um corpo docente que reúne destacados professores de Educação Física do país, cuja produção acadêmica e atuação profissional são referências nacionais importantes, sobretudo, nas áreas sociocultural e pedagógica. Além disso, na época de sua fundação (2006), a UFES era a única instituição de ensino superior pública do estado e a única instituição federal em uma área que compreende o sul do estado da Bahia e todo o nordeste de Minas Gerais (Vale do Rio Doce, Vale do Mucuri e Jequitinhonha).

Este fator determinou o impacto do programa na região em que está inserido, atraindo alunos das áreas mencionadas, de outros estados e países. Em levantamento realizado no ano de 2016, constatamos que 20% dos 162 alunos egressos do mestrado são provenientes de outros estados: 13 de MG; 10 da BA; 3 do RJ; 3 do RS; 1 de SP; e 1 do PA. Também verificamos que 50% dos 38 alunos matriculados no doutorado – a primeira turma ainda não se formou – são de outros estados e de outros países: 5 do RJ; 3 de SP; 3 de PA; 2 de MG; 1 de SC; 1 de GO; 1 da BA; 1 do PA; 1 de Portugal; e 1 da Colômbia. Esses dados ratificam, e até superam, as expectativas iniciais em relação ao impacto do programa, pois, além da dimensão regional, o PPGEF também atingiu outros estados e países.

A consolidação do programa se evidencia por meio de diferentes aspectos, dentre eles, destacamos: (a) transição do conceito 3 para o 4, ocorrida no triênio 2010-2012, o que viabilizou a abertura do curso de doutorado em 2014; (b) aumento do número de financiamentos captados por meio de editais, diminuindo a dependência do programa em relação aos recursos provenientes do Procap/Capes; (c) aumento da produção docente nos estratos superiores (todos os professores do programa publicaram nesses estratos no período avaliado); (d) aumento da produção docente com discentes, o que denota que as publicações são provenientes dos projetos de pesquisa empreendidos no programa; (e) diminuição do tempo médio de titulação (28,9 meses no triênio 2007-2009; 28,1 meses no triênio 2010-2012; 26,9 meses no quadriênio 2013-2016); (f) aumento no número de bolsas de estudos para os discentes do programa. Mesmo com a redução do número de bolsas em 2016, devido à crise econômica do país, que impactou significativamente no financiamento da agência estadual (Fapes), 67,3% dos alunos aptos a receberem bolsas no Programa foram contemplados. Cabe ressaltar que o êxito do Programa na captação de bolsas é decorrente do seu desempenho acadêmico; (g) captação de bolsistas de pós-doc, por meio do PNPD/Capes; (h) reestruturação e ampliação dos laboratórios de pesquisa, com captação de recursos por meio de Editais específicos; (i) professores do programa contemplados com bolsas de produtividade (2 CNPq e 5 Fapes); (j) crescimento do número de docentes do programa com bolsas de iniciação científica, potencializando a articulação da pós com a graduação; e (k) aumento de parcerias interinstitucionais, sobretudo, com instituições estrangeiras; (l) incremento da inserção social, potencializada pelo diálogo/parcerias com diversas instituições sociais, em especial, com a Educação Básica; (m) reestruturação do corpo docente, com a diminuição do número de professores colaboradores e o credenciamento/descredenciamento de professores permanentes. Evidências relativas às afirmações realizadas neste parágrafo serão apresentadas no decorrer desta proposta.

Em relação ao último aspecto, a reestruturação do corpo docente foi desencadeada por meio de política instituída pelo PPGEF/UFES em 2015, em consonância com os parâmetros estabelecidos pela Área 21. O Programa iniciou o quadriênio 2013-2016 com 24 professores, sendo 16 permanentes e 8 colaboradores. Ciente da necessidade de redução do número de professores colaboradores e da consolidação de um corpo docente compatível com o escopo do programa, expresso em suas áreas de concentração, linhas, projetos de pesquisa e produções intelectuais, o PPGEF/UFES inseriu em seu regimento os critérios para credenciamento/descredenciamento docente. No curso do quadriênio, os 8 professores colaboradores foram/serão desvinculados do Programa pelas seguintes razões: 3 professores saíram da UFES. O professor Carlos Nazareno continuará vinculado ao Programa até março de 2017, período de defesa do seu último orientando; 2 professores, em decorrência do aumento de sua produção intelectual, serão credenciados como professores permanentes; 2 professores foram descredenciados devido a baixa produção para a Área 21; e a docente Maria Del Carmem foi credenciada como professora colaboradora no triênio anterior (2010-2012) para potencializar a nova área de concentração que, naquela época, havia sido instituída no programa (Educação Física, Movimento Corporal Humano e Saúde). Com a consolidação dessa área, a professora voltou a atuar somente em seu programa de origem (Nutrição), de acordo com o planejamento estabelecido. Os professores Rodrigo Vancini e Lucas Guimarâes Ferreira foram credenciados, respectivamente, nas linhas Aspectos Biomecânicos e Respostas Fisiológicas ao Movimento Corporal Humano e Fisiologia, Bioquímica e Exercício em Modelos Experimentais. Além da desvinculação dos professores colaboradores e do credenciamento de dois professores permanentes, em virtude das aposentadorias que se anunciam nos próximos três anos (Valter Bracht – aposentado, Amarílio Ferreira Neto e Anselmo Perez), três novos professores, que já foram aprovados pelos critérios estabelecidos pelo PPGEF, serão incorporados ao Programa em 2017. Em síntese, o PPGEF iniciará o próximo ciclo de avaliação somente com professores permanentes (19 docentes).

No que tange a ampliação do programa, a abertura do curso de doutorado, em 2014, foi a principal ação desenvolvida no quadriênio em avaliação. Inicialmente, o curso de doutorado foi aberto somente para a área de concentração Estudos Pedagógicos e Socioculturais da Educação Física. Posteriormente, em 2016, também foram ofertadas vagas no doutorado para alunos da área de concentração Educação Física, Movimento Corporal Humano e Saúde. Atualmente, estão em andamento três turmas de doutorado (2014, 2015 e 2016), e a previsão é de que a primeira turma (2014) conclua o curso em agosto de 2018. A abertura do curso de doutorado instituiu uma nova dinâmica ao PPGEF, pois potencializou a publicação nos estratos superiores, ampliou a capacidade de captação de recursos por meio de editais e qualificou a interlocução com a graduação. A ampliação do curso também pode ser compreendida pelo aumento do número de docentes vinculados ao programa, ampliando, consequentemente, o número de vagas ofertadas nos processos seletivos (mestrado/doutorado).

Em relação à definição da identidade acadêmico-científica do PPGEF, o quadriênio 2013-2016 consolidou o amadurecimento do Programa, decorrente de sua trajetória de 10 anos de existência. O principal indicativo de definição da identidade acadêmico-científica do Programa está materializado em sua proposta/estrutura curricular. Compreendendo o currículo como uma prática social coletivamente construída, a atual estrutura curricular do PPGEF é a expressão daquilo que efetivamente tem sido praticado/produzido no cotidiano do Programa. Fundado em 2006, o programa iniciou as suas atividades com uma área de concentração (Estudos Históricos e Socioculturais da Educação Física) e três linhas de pesquisa: Formação docente e currículo em Educação Física; Educação Física, currículo e cotidiano escolar; e História Cultural da Educação Física e esporte. Essa estrutura perdurou no período 2006-2009.

No período 2010-2012, houve uma reestruturação curricular com a inserção de mais uma área de concentração e de novas linhas de pesquisa, dando a seguinte configuração ao PPGEF: Área 1 – Estudos Históricos e Socioculturais da Educação Física (linhas de pesquisa: Formação docente e currículo em Educação Física; Educação Física, currículo e cotidiano escolar; Estudos históricos e socioculturais da Educação Física e das práticas corporais; Educação Física, corpo e movimento humano). Área 2 – Educação Física, Movimento corporal humano e saúde (linhas de pesquisa: Aspectos biomecânicos e respostas fisiológicas agudas e crônicas ao movimento corporal humano; Educação Física, sociedade e saúde). Nos anos de 2013 e 2014, o programa atingiu o ápice no número de linhas de pesquisa (9), com a inserção de três novas linhas: Estudos Olímpicos e a divisão da linha Estudos históricos e socioculturais da Educação Física e das práticas corporais em Estudos socioculturais da Educação Física, esporte e lazer e História da Educação Física (Área 1). Na Área 2 foi inserida a linha Fisiologia, Bioquímica e Exercícios em Modelos Experimentais. Por fim, nos anos de 2015 e 2016, o Programa chegou, com a fusão de duas linhas de pesquisa, a sua estrutura curricular atual, com duas áreas de concentração e sete linhas de pesquisa, são elas: Área 1 - Estudos Históricos e Socioculturais da Educação Física (linhas de pesquisa: Educação Física, cotidiano, currículo e formação docente; Estudos históricos e socioculturais da Educação Física, esporte e lazer; Educação Física, corpo e movimento humano; Estudos Olímpicos). Área 2 - Educação Física, Movimento corporal humano e saúde (linhas de pesquisa: Aspectos biomecânicos e respostas fisiológicas ao movimento corporal humano; Educação Física, sociedade e saúde; Fisiologia, Bioquímica e Exercícios em Modelos Experimentais).

O movimento de transformações acima relatado ocorreu do currículo praticado para o currículo prescrito, ou seja, a estrutura curricular do Programa, ao longo de sua trajetória, foi se configurando com base nas práticas pedagógicas e de pesquisa do seu corpo docente, conferindo unidade entre áreas de concentração, linhas de pesquisa, projetos e produções intelectuais. As disciplinas ofertadas, obrigatórias e optativas, dão suporte a essa estrutura, potencializando o desenvolvimento das teses e dissertações e, consequentemente, dos artigos científicos. Essa unidade também tem impactado na graduação, uma vez que os projetos de iniciação científica estão cada vez mais articulados aos projetos de pesquisa desenvolvidos na pós-graduação. Além disso, o próprio processo de reforma curricular empreendido na graduação (licenciatura), decorrente das novas diretrizes curriculares, tem favorecido o diálogo com o currículo da pós-graduação, buscando superar, dessa forma, a fragmentação existente entre esses dois níveis de formação. A proposta/estrutura curricular do PPGEF/UFES também tem se configurado a partir da interlocução com as demandas sociais do contexto onde está inserido. Em seus 85 anos de história, os cursos ofertados pelo CEFD/UFES estabelecem permanente diálogo com setores da sociedade civil organizada, sobretudo, com a Educação Básica. Nesse sentido, o PPGEF tem produzido um conhecimento socialmente referenciado, em sintonia com as necessidades locais e em parceria com os atores sociais presentes nos contextos sociais em que atua.

Alunos Formados e Matriculados:O programa já formou 188 mestres e conta com 79 alunos regularmente matriculados, sendo 34 no mestrado e 45 no doutorado.

Nome dos coordenadores e coordenadores-adjuntos:

Período: 2017-2019
Coordenador(a): André da Silva Mello
Coordenador(a)-Adjunto(a): Felipe Quintão de Almeida

Período: 2015-2017
Coordenador(a): André da Silva Mello
Coordenador(a)-Adjunto(a): André Soares Leopoldo

Período: 2013-2015
Coordenador(a): Otávio Guimarães Tavares da Silva
Coordenador(a)-Adjunto(a): André da Silva Mello

Período: 2011-2013
Coordenador(a): Otávio Guimarães Tavares da Silva
Coordenador(a)-Adjunto(a): Omar Schneider

Histórico do conceito CAPES do programa:

Período de Avaliação: . . . . . Conceito:

2013-2017 . . . . . . . . . . . . . . 4 (Bom)
2010-2012 . . . . . . . . . . . . . . 4 (Bom)
2007-2009 . . . . . . . . . . . . . . 3 (Regular)

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910