Identificação do platô do consumo máximo de oxigênio: revisão dos métodos apresentados na literatura e proposta de uma nova metodologia

Nome: Vanessa Cândido Abreu
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 04/04/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Anselmo Jose Perez Co-orientador
Luciana Carletti Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Alessandro José Queiroz Sarnáglia Examinador Externo
Anselmo Jose Perez Coorientador
Luciana Carletti Orientador

Resumo: O VO2máx é tradicionalmente identificado pela ocorrência do platô no esforço máximo. O critério clássico para identificação do platô foi proposto por Taylor et al. (1955). No entanto, devido a críticas a esse método, surgiram variados critérios, tempos de análise diversos e protocolos que resultaram na falta de consenso entre os cientistas sobre qual seria o método mais adequado para a identificação do platô, prejudicando a comparação e reprodutibilidade entre os estudos, assim como a qualidade dos mesmos. A dissertação constou de 2 estudos descritos a seguir: Estudo I, que teve por objetivo investigar os métodos de identificação e a ocorrência do platô do VO2máx, descrevendo os procedimentos para coleta de dados e suas análises. Foram realizadas buscas nas bases de dados PUBMED e BIREME. Dos resultados, excluíram-se trabalhos com animais, indivíduos com patologias, com apenas mulheres ou crianças e adolescentes, artigos de revisão, escritos em outra língua além do inglês ou que não utilizavam o platô. Houve grande variação na ocorrência do platô (4,8% a 100%), e também se observou diversidade de protocolos de teste (predomínio da rampa), tempos de análise (predomino de 10 a 20s e 30s) e diferentes critérios de análise (limiar de diferenças consecutivas e critérios estatísticos). Conclui-se que os problemas de ocorrência e metodologia da identificação do platô do VO2máx apresentados nesta revisão sistemática, resultam em trabalhos muito divergentes quanto ao percentual de ocorrência do platô e em critérios confusos e reproduzidos de maneira equivocada. Em sequência, o Estudo II, teve por objetivo propor um novo modelo de análise para o platô de VO₂máx, utilizando critério individualizado e análise estatística e identificar as características de aptidão física dos sujeitos que realizam ou não um platô de VO₂máx, pelo modelo proposto. A amostra consistiu de 31 corredores do sexo masculino (idade entre 18 e 40 anos). Os indivíduos foram submetidos ao eletrocardiograma de repouso e teste cardiopulmonar de exercício, utilizando o protocolo de rampa para verificação do VO2máx e outras variáveis fisiológicas. Os dados foram tabelados respiração a respiração. A identificação do platô de VO2máx foi realizada através de regressão linear segmentada com pontos de quebra desconhecidos para cada teste. Da amostra, 58,06% apresentaram platô de VO2máx, não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nas variáveis metabólicas, ventilatórias e de velocidade. Conclui-se que esse modelo apresenta vantagens por se adequar ao protocolo de rampa, analisar individualmente as variações do VO2 e pelo uso de método estatístico. E ainda que, pelos dados analisados não há diferença nas características de aptidão entre os grupos.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910