Influência do treinamento físico aeróbio sobre a Morfologia e a Função Cardíaca de ratos resistentes a obesidade.

Nome: Jóctan Pimentel Cordeiro
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 17/05/2016
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Paula Lima Leopoldo Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Ana Paula Lima Leopoldo Orientador
Lucas Guimarães Ferreira Examinador Interno
Rogerio Graca Pedrosa Examinador Externo

Resumo: Poucos estudos têm avaliado a função cardíaca em modelos de resistência á obesidade (ROb). Os mecanismos envolvidos no transiente de cálcio na disfunção cardíaca em modelos de ratos ROb ainda não são bem determinados. O presente estudo foi designado para o teste da hipótese que a dieta hiperlipídica insaturada promove disfunção miocárdica em ratos ROb e este dano é observado no trânsito de Ca+2 extracelular. Porém, algumas estratégias têm sido utilizadas como fatores de intervenção tanto para prevenção quanto de tratamento de doenças cardíacas, dentre estas, destaca-se o treinamento físico (TF) como terapia não farmacológica. No presente estudo foram utilizados 80 ratos Wistar, com 30 dias de idade, e submetidos a protocolo de indução e exposição à obesidade, sendo 5 semanas de indução e 15 de exposição, totalizando 20 semanas consecutivas. Os ratos foram randomizados em dois grupos: a) DP: alimentados com dieta padrão (n = 40) e b) DH: alimentados com dieta hiperlipídica (n = 40) insaturada. Os animais foram distribuídos quanto à ausência ou presença do TF aeróbio de moderada intensidade (70% do TVM) por 12 semanas, controle (C; n=12), controle submetido ao protocolo de treinamento físico (CEx; n=14), resistente à obesidade (ROb; n=9) e resistente à obesidade submetido ao protocolo de treinamento físico (RObEx; n = 10). Foram analisados: peso corporal (PC), percentual de gordura (% GC), índice de adiposidade, parâmetros nutricionais e metabólicos e pressão arterial sistólica final (PAS). O processo de remodelação cardíaca foi avaliado post mortem por estudos macroscópicos e microscópicos. A análise funcional cardíaca foi realizada in vitro por meio de manobras inotrópicas e lusitrópicas utilizando a técnica de músculo papilar isolado do VE. A comparação dos grupos experimentais foi realizada por ANOVA para dois fatores, complementada com teste de comparações múltiplas de Bonferroni. O nível de significância considerado para todas as variáveis foi de 5%. Após 32 semanas de protocolo experimental, os animais do grupo ROb apresentaram ganho de peso, peso corporal final, depósitos de gordura retroperitoneal, visceral e epididimal, bem como o somatório dos depósitos de gordura e o índice de adiposidade similares ao grupo C. Porém, a ROb apresentou intolerância à glicose e aumento dos níveis séricos de LDL. Os animais ROb não apresentaram alteração no comportamento da pressão arterial sistólica e do HDL. O estudo macroscópico post mortem mostrou que a ROb apresenta menores valores

xii

de peso das câmaras cardíacas e do coração total, fato este, constatado por menor deposição de colágeno intersticial, com preservada área seccional transversa de cardiomiócitos de VE. Em adição, a função cardíaca in vitro não foi prejudicada nos animais ROb. O TF aeróbio de intensidade moderada foi eficiente em diminuir a maioria dos parâmetros de composição corporal relacionados à deposição de gordura, bem como normalizou os elevados níveis séricos de LDL, observados nos animais ROb sedentários. Porém, não foi capaz de diminuir a intolerância à glicose desses animais. O TF não promoveu alterações tanto na morfologia quanto na função cardíaca. Entretanto, ratos ROb quando submetidos à DH por prolongado período e ao TF parecem ter seus valores pressóricos aumentados. Em conclusão, os animais ROb submetidos a prolongado período de DH insaturada apresentam dislipidemia, intolerância à glicose e menor coração por menor deposição de colágeno, sem prejuízos na função cardíaca. O TF aeróbio não promoveu alterações na morfologia e função cardíaca.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910